quarta-feira, 2 de março de 2011

O luto das palavras.


Querer viver para sempre é um sentimento juvenil. Na medida em que envelhecemos, para quem não se acostuma com a idéia de que um dia vai contar seu último segundo no planeta, pelo menos vai aceitando de que será a personagem central de um velório. Tudo passa e uma hora, fatalmente, nós também passaremos.

Não gosto de refletir sobre um tema tão pesado quanto a morte, entretanto, uma força muito maior que meu desejo faz com que dedique minhas desastradas e tristes palavras para tamanha abordagem. Afinal, o último domingo passou o grande Moacyr Scliar.

Agigantou nossas letras pela sua própria humanidade. Fez-se porta-voz da cultura judaica em nossa pátria. Provou pra todo mundo que não é preciso se fazer de coitado, depois da Segunda Guerra Mundial, para falar da história do povo judeu e nem ficar lamentando o Holocausto, pois está claro que seja qual for o ataque à integridade humana ela é digna de repulsa e condenação.

Lutou sim contra as mazelas sociais, seguindo o exemplo incontestável de Che Guevara, professando a bela função médica especializando-se em saúde pública. Militou na literatura contra a opressão de um besta regime militar e, através de sua fina habilidade com a língua portuguesa, traduzindo em suas páginas as diversas possibilidades dos anseios humanos.

Não está mais na moda querer salvar o mundo; pensar numa política que seja humana e igualitária; no bem da sociedade como um todo; querer acabar com a fome, a miséria e a corrupção e ver no outro a mesma dignidade que tanto vemos em nós mesmos. O que fazemos em nossos dias é defender um escasso salário em detrimento da nossa vergonha moral.

Um lugar como esse não merece um imortal como Moacyr Scliar, pelo contrário, precisa dele.

Sim! Ele é imortal! Não porque uma academia reconheceu, mas pela sua perseverança. Por ser o único soldado do exército de um homem só e jamais desistir. Sua resistência sobrevive, mesmo antes de seu nome virar troféu e prêmio de concursos literários, ela já figurava nas práticas que motivam os grandes realizadores.

Estou planejando, ao lado do amigo, filósofo e publicitário Sanabria, uma viagem pela América Latina com o objetivo de passar nas cidades onde vivem e viveram os grandes escritores de nossa cultura. No percurso, o projeto era passar em Porto Alegre para conversar com Moacyr...

Por vezes agradeci a oportunidade de não ter vivenciado a dor do dia da passagem de John Lennon. Hoje as lágrimas são para Moacyr Scliar.

Descanse em paz.

32 comentários:

Gleison Nunes disse...

Muito o texto, escreve muito.
continue assim.

http://www.bigodefedido.com/

Cristiano da Silva disse...

ser ou nao ser eis a questao... blogs com temas abstratos me fazem pensar sobre a vida e seus prazes... e notar q certos narcoticos tbm podem ser inspiradores
achoo q filosofei agora kkk
bom textoo!

Yara França Büsmayer De Cazenove disse...

Adorei o texto, muito muito bom, te seguirei e espero ótimas leituras.

Jeniffer Haddad disse...

Adorei o texto. Gostei da homenagem, soou muito bonita :]

Fernanda Almeida. disse...

Lindo, bem tocante...!

ADILSON JORGE disse...

É sempre uma tristeza para a literatura brasileira a perda de uma pessoa como Moacir. Afinal, quem ficará? Infelizmente, vejo que cultuar magos é bem diferente de exaltar os verdades artistas da nossa querida língua portuguesa.

Parabéns pelo texto e blog.

Adilson

D.M disse...

deu vontade de morrer agora kk
http://vmhbr.blogspot.com/

Yoshi disse...

Infelizmente só pude conhecer o trabalho do Moacir Scliar depois de sua morte, qndo comecei a ler o texto pensei que fosse um texto dele, mas vc escreve muito cara (Y)

Claudia Alves disse...

Ótimo texto, falando de uma pessoa ilustre e que nós vamos lembrar, como exemplo contrário ao ridiculo egocentrismo vivido pela sociedade hoje.
Parabéns pela pessoa que você escolheu pra homenagear e pelas suas palavras.
http://www.claudiaalvesinteriores.blogspot.com/

Rubi disse...

Uma homenagem e tanto.
E uma triste perda, não ?
Parabéns pelo bom uso das palavras.

rosenes disse...

acredito que morremos um pouco com as pessoas queridas que se vão. As pessoas públicas acabam nos parecendo próximas se nos identificamos com elas ou nos tornamos suas fãs. Conheci mais um pouco do Moacyr Scliar por causa da sua admiração por ele e o Roda Viva com ele me deixou uma lembrança boa, uma vontade de um dia conhecê-lo.
Agora sobrou o desapontamento em saber que não há mais essa possibilidade, mas um dia a gente vai se encontrar.
LOVE YA!

paradigmas universal disse...

Quais questões me mantém vivo?

O que me impede o suicidio?

talzes o medo de estar errado.

Carlinha disse...

fico envergonhada em dizer que antes de ler essa homenagem o nome Moacyr Scliar não faria diferença alguma pra mim, mas suas palavras me incentivaram a "conhecê-lo" melhor...
Uma grande perda pra literatura brasileira!

Millena Blogueira disse...

Excelentte post!Primeira vez no seu blog e gostei.

Rony disse...

Texto muito bem escrito. Ficou legal a homenagem.

http://admiravelvidaminha.blogspot.com/

Geici disse...

Adorei o texto :)

http://geiciblog.blogspot.com/

nasbarba disse...

Cara vc escreve muito bem, com esse entusiasmo da pra escrever um livro!
continue assim!

www.nasbarba.blogspot.com

makeup-dreams disse...

Amei o texto .Escreve muito bem ! Texto vai pensar muito sobre isso , ser ou não ser? Continue assim, vai muito em frente !

Games Legais disse...

Gostei muito do texto, é muito lindo *-*
continue sempre assim.
bjus

http://gameslegaisaki.blogspot.com/

Ravenna Rocha disse...

adorei a mensagem!!!Belíssimo texto!!!Tá de parabéns!!!

Tiago Leite disse...

Belo texto, e magnífica a forma de retratar tal assunto, e homenagiar alguém por meio de palavras.

__________________________________
http://goza-te.blogspot.com/

Tiago Leite, Att.

Jaque disse...

Lindo seu texto e linda essa homenagem pra quem realmente merece.
Gostei do seu blog, estou comentando nesse post e vou ler os mais antigos.

Beijoos
http://agarotaquetemquasetudo.blogspot.com/

Rosana Brito disse...

Oiii doo temaa .. Muito forte , porem interessantee..
Estou seguindoo !

Gostaria que seguisse o meu tbm

http://arealidadedecadaum.blogspot.com/

Kyanne Carvalho disse...

Adorei o tema do seu blog, e sim, concordo com você. O tema abordado neste post é bastante pesado, e abrange opiniões de diversos tipos. E com certeza nem um pouco agradável. Mas, sim, tudo passa. O que vale é apreciar a vida da melhor maneira possível. Porém... Não concordo com uma coisa no seu post... Não acho que pensar que "irá ser jovem ou viver para sempre" seja somente um sentimento juvenil, como você diz. Pois acredito que... Mesmo na velhice... Uma pessoa ainda pode ser feliz e aproveitar o tempo que lhe resta... Sem somente aceitar a ideia "de ser o centro das atenções em seu funeral" Bom, aí vai a dica... Não ser jovem fisicamente, não significa que se será privado o poder de ser jovem mentalmente. Parabéns, estou seguindo o seu blog. Deixo aqui o meu: http://kyannesmind.blogspot.com/

Sucesso para você e o seu blog, espero que eu seja retribuida.

Primeira visita de muitas...

Eric disse...

Replece in peace!

Belo post

http://futebol-emfoco.blogspot.com/

Eduardo disse...

muito bom

http://elgoogbrasil.blogspot.com/

Antonio disse...

Moacyr Sciliar é só mais um comunista.

Essa coisa de "bem comum" é balela.

Sociedades perfeitas não existem.

Marcel L. disse...

Obrigado pela visita. Um grande escritor se foi. Eu dou graças a Deus não ter vivenciado o dia 08/12/1980...

Gomes disse...

Muitas pessoas melhoraram o dia-a-dia, a atmosfera da vida, nos seus corredores caracterizados, e esse luto se encontra no corredor das perdas, das saudades, onde quem muito produziu vai mebora sem nada, mas podemos afirmar que o que tem deixado beneficiou (e beneficiara) a cultura, e os novos amantes das letras.

dinho-music disse...

Lindoo texto, vc escreve muito bem.

Medeiros Alencar disse...

Meu caro, só pra constar.
Ao meu ver, bons comentários não são somente aquels com elogios.
São aqueles que trazem uma ideia formada sobre o post, que faz com q o autor melhore o texto, se houve algum problema. Bons comentários são aqueles que nos incitam(acho que é assim q escreve) a escrever novos textos.
Em relação a Moacir, concordo com o q tu dizes. Além de escritor, ele era um poeta da vida, um sociólogo, antropólogo... e acima de tudo, ele era humano. É isso que me atrai em sua obra. Como ele consegue ser puramente humano, homem de carne e osso e ideias, apenas.
Gostei do blog.
Abraço

Fernando Faria disse...

Me deu vontade de assistir o Roda Viva com Scliar! Obrigado pelo post!

http://www.fhlf.blogspot.com/