domingo, 27 de janeiro de 2008

Sobre a predileção pela poesia.

É lugar comum em qualquer discussão, sobre a relação entre a poesia e o povo, opiniões desairosas a respeito do gosto popular. Muitas vezes, dizem que a poesia é algo restrito aos grupos de intelectuais, os de gosto refinado, que sabem apreciar as intenções sagazes de um verdadeiro poeta. Já ouvi dizer até que a poesia é um privilégio de classe, na pós-modernidade o proletariado não tem condições e nem tempo para tais frivolidades; chamemos isso de discriminação estética.
Ante tais concepções, alguns questionamentos surgem de imediato. Não pergunto aos professores de Artes por serem eles os únicos a terem cadeira cativa no céu, por óbvias razoes de estética Renascentista; mas, professores de língua portuguesa, prestem atenção. Uma pessoa oriunda de uma classe social menos favorecida, que trabalha catorze horas por dia, não tem o primor suficientemente elaborado para apreciar uma poesia de qualidade? Para tanto, vou tentar esboçar, com o respaldo teórico de Octávio Paz, em “O Arco e a Lira”, as definições de poema e de poesia, pois, nesse caso, parece ser a confusão para se afirmar tamanho disparate.
Para caracterizar-se um poema, é necessária a métrica, que são as regras da língua do poeta que exprimem o conhecimento da arte da versificação. O autor ainda completa dizendo que o poema é uma obra que envolve um algo a mais. Um soneto elaborado com todos os rigores de uma métrica sofisticada mostra-se como uma belíssima obra sem ser, em si, um poema, contudo, não deixa de ser forma literária – dotada de estrofes, metros e rimas. A poesia é que transformará essa forma literária em poema.
Ah a poesia! Octávio Paz deixa à poesia um status de grau elevadíssimo, em sua célebre definição e distinção entre poema e poesia. Dirigida à sensibilidade, a poesia é a celebração do ser humano que se revela, plenamente, no poema. Pode haver poesia sem poema, em manifestações sem métricas que toca o que o ser humano ainda tem de humano. Fusão perfeita entre forma e substância, o poema é uma estrutura literária que encerra a completude poética.
Imaginem uma banda de punk rock. Os integrantes ao comporem ou selecionarem uma canção, para seu repertório, estarão ocupados em harmonizar o conteúdo poético da canção, com o poema e o arranjo musical. Por serem músicos, normalmente, o aspecto musical vem em primeiro lugar. Jamais esperem de uma Plebe Rude um soneto nos rigores de Camões, natural é de fato uma melodia crua como forma de mostrar sua poesia, depois vem a letra. O mesmo se aplica aos outros gêneros musicais de canções populares.
Então, ao se dizer que a poesia é um privilegio de classe, se afirma também que um sujeito abastado é mais ser humano do que um desfavorecido economicamente. Toda pessoa gosta de poesia, entretanto, se não prefere ver sua revelação plena como no poema, não quer dizer que o gosto dela é inferior ou superior ao de outrem. É apenas diferente. A diversidade artística é a marca de toda sociedade democrática. Não vamos subestimar as preferências artísticas e poéticas por seus gêneros, mas sim por seus conteúdos. Critério de conteúdo seria tão somente qualquer tipo de descriminação social, cultural ou racial. Se não isso... Um brinde à poesia!

10 comentários:

Verônica Martinelli disse...

Sabe...eu não gosto de ler poesias...não aguento pegar um livro de poesia, mas é em poema que sempre escrevo, estranho isso. Talveseja como disse o poeta: a minha poesia é um vício triste,Desesperado e solitário Que eu faço tudo por abafar.
Voce escreve bem...poderia ser um colunista^^

Feänor disse...

Cara, seu texto me tirou uma dúvida secular: eu não sabia a diferença entre poema e poesia!

Muito obrigado por esta aula! Finalmente tive a chance de sanar minha dúvida...

Sobre o conteúdo do post, de fato, o conteúdo sempre deve se sobrepor à forma.

Um outro exemplo disso são as músicas de Adoniran Barbosa. Existe maior poesia do que aquela contida naqueles simples versos populares, que nada entendem de norma culta ou erudição?

Aliás, realmente, às vezes o preciosismo linguistico, como você mesmo disse, só serve pra elitizar, para criar uma distância entre a massa popular e os mestres poetas...

Afinal, de que adianta escrever um lindo poema que não pode ser compreendido por aqueles que o lêem?

Casu disse...

Ulisses meu "cumpadi"
Visite o site do Radar Cultura e escreva seu conteudos lá também
Você tem ótimas idéias para compatilhar com outras que se interssam pelos seus asuntos
Comecei a escvrever lá também
www.radarcultura.com.br
Seus Textos são muito BONS (sem demagogia ou Hipocrisia)
Abraços

Verônica Martinelli disse...

Gostei do seu comentário. Palavras exatas, sem receios.
O título do blog fo quase um acaso, um dia tocou esa musica na rádio, eu não sabia cantar então meu pai saiu cantando.
É para mim um campo desconhecido tentar ou querer imitar um poeta, como eu disse não tenho prazer em ler. Mas seria uma forma de estar preso a uma "forma de poder"
Posso te link?
Espero outro post seu^^
bye

Adriana disse...

"Meu verso é como a semente
Que nasce arriba do chão;
Não tenho estudo nem arte,
A minha rima faz parte
Das obras da criação."
Patativa do Assaré

Lindo, não?
Simples e comovente, fala com palavras e sentimentos daquele que vive na simplicidade e qualquer um pode ler, gostar e se maravilhar. Não usa palavras dificeis, os versos saem construídos pela emoção!
Você realmente escreve bem, mas poderia usar palavras mais simples colhidas de semente no chão, porém... O que escreve e como escreve diz sobre você, lembra?
bjos...

Verônica Martinelli disse...

Sim, sim^^ Claro que pode :)

Boa Segunda Feira!

Adriana disse...

Obrigada pelo comentário e pelas provocações! Boas provocações sempre suscitam reflexão!
Grande beijos com carinho.

Adriana disse...

Concordo quando você diz que simples signfica:
"... singelo, puro. Podemos interpretar que é algo como uma unidade dotada de uma clareza sem igual. Por ser una e fácil chega ao nosso entendimento, sem maiores esforços intelectuais, com uma admirável transparência".
Quando fiz o comentário sobre seu texto falando sobre simplicidade estava imanginando que o texto poderia ser produzido para que qualquer um tivesse acesso a ele, que o lesse e entendesse. Fiz apenas uma reflexão sobre a acessibilidade dos textos e do seu em específico.
Como seu texto fala também sobre a acessibilidade da poesia para todos, não o achei tão acessível e daí a ausência de simplicidade para falar do tema, porém você fala a um grupo de pessoas específicas (certo?!?!) e supõe que essas tenham facilidade de ler o que escreve.
Em textos acadêmicos e para uma área específica do conhecimento, encontraremos dificuldade de leitura se não tivermos o minimo de conhecimento do assunto.
Podemos falar de temas extremamente complexos utilizando palavras que tornam o texto transparente para o leitor, porém depende do público para quem se destina.
A poesia de Patativa é extremamente simples e apesar disso não perde seu conteúdo e sua intensidade. Há poesias em que a utilização de palavras mais complexas de entendimento fazem parte da construção do poeta.
Qualquer poesia é acessível a todos, basta gostar, ser incentivado, e, às vezes, ter um pouco de sensibilidade.
Acho que foi isso, não adiantaria apenas te dizer aqui qual o significado de simplicidade para mim, já que ela estava inserida no contexto do que você mesmo escreveu.
Espero que eu tenha conseguido responder sua pergunta. Aguardo um novo texto seu postado.
Grande beijo!!!

Cleyton Vilarino dos Santos disse...

Caralho!! vc escreve muito, não fica enchendo linguiça, saka?

bom, um brinde a poesia então!! e que um dia todos possam apreciá-la pois não que a prole não goste de poesia, apenas não teve instrução o suficiente para acessá-la! a elite sufoca os pobres.. sempre foi assim!

Leandra disse...

a poesia feito pela poeta é linda e tem tudo haver com sentimentos, não só romanticos
mas furia, inconformação, qualquer coisa....
mas depois que alguns conceitos da poesia foram "distribuidos", ela perdeu o foco. tais
conceitos abordam:
-o verso é livre;
-a poesia expressa sentimento;
qdo todo mundo ficou sabendo disso, a maioria dos haps é poesia.
eu acho isso um saco. acaba com o encanto.
por outro lado, muitas pessoas encontram consolo nesses versos e entendem que não são
so elas que passam por certas adversidades da vida.
tanto que são muito importantes para muitos jovens.
por isso defendo a existencia dela.